terça-feira, 28 de outubro de 2008

And when they calm down, nothing ever feels the same

O sensei mandou eu prestar atenção na minha postura. Ajeitar a coluna, sabe como é... Mas isso foi ontem. Hoje é um novo dia.
Sabe aqueles dias que o Sol te convida pra sair e a cor do céu te convida pra deitar e dormir? Então... É esse.

Um operário sentado numa pilha de blocos de concreto assiste o mundo rodar. Mais a frente, a vendedora de jornal se recosta na parede pra mandar SMS. Um funcionário do banco sentado na escada enquanto corta as unhas e conversa com um motoboy, que não tem pressa de ir embora. Dois vendedores de uma loja de imóveis sentados na mesa de jantar a venda com pratos vazios milimetricamente colocados falando sobre amenidades...

Na esquina mais a frente, é provavelmente o meu ônibus parado no ponto. Eu poderia correr e chegar mais cedo em casa. Mas não, hoje não é um bom dia pra correr.

Quando chego no ponto vazio, parece que a prefeitura o pintou e os educados alunos da escola ao lado já vomitaram em cima. Mas isso não me incomoda, eu sento do outro lado...

Não sei, mas parece que os carros também tão andando mais devagar hoje.

O ônibus chega. Duas senhoras conversam sobre a sanidade mental de alguém e a propensão a brigas de uma delas. Um velhinho senta atrás de mim e, sem a menor pressa, começa a relatar o último acontecimento marcante de sua vida. É sobre o fato de ele ter rodado a catraca e não poder mais entrar, ou algo assim... A lerdeza da voz dele é contagiante.

Parece que hoje o ônibus levou o dobro do tempo pra chegar.
Na última caminhada pra casa, passo por um caminhão de uma destribuidora qualquer cujo slogan é "Nosso forte é fermento".
Não sei se era pra ser engraçado, mas eu ri.

Chego em casa mais cedo que o normal e o dia tá só começando. É verdade que eu gosto desse tempo lento, mas por hora ele poderia acelerar um pouco... No fim das contas, eu só quero que chegue quinta-feira. Além do mais, não dá pra ajeitar as costas num dia como esse. Simplesmente não combina.


Aliás, já viram isso?

10 comentários:

Mika disse...

aaaah, isso também acontece comigo, engraçado não é?
mas de qualquer forma, quinta feira é amanhã então lálá! :D
e agora, pensando com meus botões eu reparei que se você ajeitar a coluna, vai ficar tão mais alto.. droga x_x

Gam disse...

Você também se transforma em objetos cotidianos? O_O

matheus disse...

sei q aqele "Sol" do inicio ñ está com duplo sentido aUaAHAHAHAUH!!
Caraa...qeria comentar algo aki sobre esse post seu ai mais creio q ñ posso,alias,ñ devo.
aHHH...veiooo q videooo massaa,é nois fazendo mais deles,sem o meu cell dessa vez,bosta!

Flws!

Anônimo disse...

"Na última caminhada pra casa, passo por um caminhão de uma destribuidora qualquer"

distribuidora, não "des"

matheus disse...

aff um nerd sem nada oq fazer auhAHaaHAHAHH!
vai procura muié ahauhauhH!HA!
zueraaa =D
ou ñ ahaHAHHAHAHH!
corrige esse frase"sua mãe é minha!"
brinks,ñ agentei

matheus disse...

cassetee,akabei de perceber "Marcadores: mika, orgasm, tempo"
aUaUhuahua,ñ sei se tiveram a mesma sacada q eu =D

noobs

Jean Perigoso disse...

hahaha
foi a primeira coisa q percebi tamem matheus
nao tenho muito o q comentar desse dia normal seu
mas quando é um dia normal pra mim sempre aparece mais mulher bonita na rua e nao um velhinho e duas mulheres chatas fofocando
haushahsauhs

matheus disse...

floodão

matheus disse...

outrooo flood

matheus disse...

Post bonito auhhuaH!
ñ considere isso um flood.
Qando é q vc vai postar mais em ****