segunda-feira, 5 de abril de 2010

Da bada bada tu da ta ta... (8)

Ultimamente tenho enchido a cabeça com uma série de coisas abstratas. Me preocupando com marketing de bombons, mulheres abduzidas, nazistas alheios, matéria atrasada, relacionamentos, falta de ar e coisa e tal...
Pensei em postar sobre tudo isso, mas hoje em especial sinto-me inspirado. Talvez pela primeira vez da história desse blog, escreverei algo verdadeiramente útil para a vida de todos. Ensina-los-ei um dos conhecimentos ocultos de minha vida: Fritar ovos.

Veja você, fritar ovos transcende a simples necessidade básica de alimentação. Hoje em dia, ouso dizer que é mais que um conhecimento padrão, mas uma arte pessoal e intransferível. Cada indivíduo frita seu ovo como melhor lhe convier, e é assim mesmo que deve ser.

Imagino eu que fritá-los tenha sido a primeira técnica a ser inventada a respeito deles, os ovos. Afinal, quebrar e esquentar parece-me mais simples e óbvio do que esquentar sem quebrar. Entende?
Mas isso não é uma aula de História. Vamos ao que interessa.
Lembrando que este é apenas o meu modo de fritar ovos. Há variações de frigideira para frigideira.

Você vai precisar de:
Clique nos itens para melhor visualização.

Procedimento:
Ligue a música. Cozinha sem música não tem graça, na minha concepção.
Eu, particularmente, gosto de ouvir algumas músicas populares antigas do tipo que não fazem pensar muito. Skank, Djavan, essas coisas...
Ou Jack Johnson, mas esse eu ouço o tempo todo, então não conta.

Acenda o fogo. Espera-se que você use um fogão. Caso esteja usufruindo de uma fogueira ou método menos ortodoxo, tenha certeza de que a chama vai durar até o fim do procedimento. Um ovo meio-frito é até um tanto broxante.

Com a colher, arranque um generoso naco da manteiga e despeje sobre a frigideira. Divirta-se deslizando com a manteiguinha por toda a superfície interna da panela. Evite deixar qualquer espaço em branco.

Quando a manteiga terminar de derreter, quebre os ovos. Cuidado para não derramar a casca na frigideira. Ela gera surpresas desagradáveis na hora da ingestão do alimento.

Aqui entra uma parte que varia muito de gosto pra gosto. A gema.
Eu curto estourar a gema logo de cara com a colher. Faço dois furos em cada uma e deixo espalhar.

Esse é o momento de colocar o sal. Não se esqueça de colocar sal de novo quando virar o ovo. Isso é imprescindível.

Durante a fritagem, mantenha o ovo sempre em movimento. Por melhor que seja a manteiga, é bom para impedí-lo de grudar e facilitar a hora da virada.

Após alguns "TEC", "TSSSS" e "OUCH" já deve ser a hora de virar. Virar um ovo com uma colher sem rasgá-lo é uma tarefa incrivelmente árdua e requer milênios de prática. Os melhores mestres são capazes de virá-lo no ar, mas eu não sou um deles.

Não esqueça do sal.

Se achar necessário ou curtir um queimadinho, vire-o de novo.

Opcional:
Jogue uma ou duas fatias de queijo por cima do ovo durante o processo. Fica um S2 puro.




Bom, é isso. Espero tê-los ajudado um pouco no caminho da vida.

4 comentários:

NiNa disse...

eu faço ovo frito completamente diferente...
sim, fritar um ovo é a segunda coisa q vc precisa aprender a fazer, a primeira é o miojo (sempre salva meu jantar qndo eu to com preguiça de fazer qqr outra coisa)
e o sal é MTO util, sempre esqueço dele =X
mto bom post xP

Fai disse...

depois dessa até recomendo seu blog

Cake Pie disse...

Eu ri das imagens, não sei por que. Seu post foi muito útil, recomendo pra quem queira aprender a fritar ovos.

Mái disse...

adorei o queijo ;]